AAC (American Alpine Club) publica artigo com advertência sobre utilização de backup durante o rapel no loop da perna de cadeirinhas com regulagem rápida

AAC (American Alpine Club) publica artigo com advertência sobre utilização de backup durante o rapel no loop da perna de cadeirinhas com regulagem rápida

17/08/2016 Off Por Gabriel Finelli

RapBackup2l

Backup – Sistema secundário de segurança.
Backup na ancoragem – Sistema secundário de segurança no ponto onde a corda é fixada.
Backup pessoal – Sistema secundário de segurança onde o praticante efetua uma técnica utilizando um nó blocante (Machard, Prussik, ou outro) para se assegurar caso venha a soltar as mãos da corda.

O uso de backup pessoal durante o rapel é uma prática muito comum entre os praticantes de rapel que desejam elevar o nível de sua segurança durante a descida. Apesar deste sistema ser seguro na maioria das vezes em que é aplicado, o escalador Jason Martin se viu diante de um complicado problema ao utilizar este sistema em um tipo específico de baudrier (cadeirinha), os baudriers de regulagem automática. As fivelas automáticas dos baudriers são aquelas em que o ajuste da cintura e das pernas são automaticamente fechados ao puxar as fitas de regulagem das mesmas, sem a necessidade do praticante voltar com a fita para dentro da fivela novamente.

Método menos seguro. Foto Reprodução: AAC(American Alpine Club).

Método menos seguro. Foto Reprodução: AAC(American Alpine Club).

Este procedimento de backup pessoal normalmente é efetuado com um mosquetão preso ao loop da perna do baudrier e um anel de cordelete. O mosquetão é fixado na perneira e um nó auto-blocante feito feito com o cordelete é fixado na corda abaixo do freio. Desta maneira se o praticante de rapel não “correr” o nó blocante na corda com as mãos durante sua descida, ele ficará travado e não conseguirá descer. Desta maneira o praticante deverá efetuar um auto-resgate. Este processo de backup pessoal é chamado de auto-seguro.

Método mais seguro. Foto Reprodução: AAC(American Alpine Club).

Método mais seguro. Foto Reprodução: AAC(American Alpine Club).

Com a chegada dos novos baudriers com fivela automática a história mudou um pouco. Analisando este sistema, Jason Martin chegou à conclusão de que mosquetões colocados próximos da fivela automática podem causar a abertura da mesma se tencionado para fora, puxando a fita por dentro do loop. Ao chegar a esta conclusão, ficou claro que o mosquetão deve ficar na parte interna do loop da perna, próximo à virilha do praticante de maneira que fique longe da fivela e ao ser tensionado apenas irá cumprir o papel de auto-seguro.

Agora só resta a nós praticantes analisar, comparar e atualizar os conhecimentos!

*Não pode-se efetuar auto-seguro em ambientes aquáticos, pois o auto-seguro ao blocar, irá lhe travar e você poderá sofrer afogamento*

*Sempre tenha um instrutor ao seu lado para lhe orientar, não execute nenhum tipo de técnica vertical sem domínio da mesma*

Fonte: A.C.C. American Alpine Club